10.1.13

Público vs. Privado

Confesso que a minha ideia dondoca foi que, quando estivesse grávida iria "parir" a um hospital privado. As razões para este achamento: maior privacidade, maior assistência por parte das equipas envolvidas, etc etc. 


Depois engravidei... e como sou uma curiosa nata em relação aos temas que me interessam, rapidamente mudei de ideias. 


Apesar de estarmos a ser acompanhados no privado pelo Dr. Fernando Cirurgião - ginecologista obstetra (o nosso melhor amigo nos últimos meses), queremos que o nosso pequeno M. nasça no Hospital S. Francisco Xavier


Dr. Fernando Cirurgião

O Dr. Fernando é Director do Serviço de Obstetrícia e Ginecologia na Centro Hospitalar de Lisboa Ocidental. Provavelmente (e com grande desejo nosso) será ele a fazer o parto.

Agora tenho de dedicar todo um parágrafo a este ser humano espetacular. É, provavelmente, uma das melhores pessoas que conheci até hoje. Com ele não temos medo de fazer perguntas nem de ouvir as respostas. Tem uma voz doce que nos acalma e é sempre respeitador. Livra-nos de todos os medos, dá-nos coragem e ainda explica tudo em pormenor, tanto nas ecografias, como quando mostramos o resultado de análises e outros exames. A minha ideia era arranjar um quartinho lá em casa para ele!



Agora... quais as vantagens de utilizarmos o serviço público, pelo menos na altura do parto?

Bem... muitas:


  • Tem mais meios humanos e técnicos.
  • Melhor qualidade médico-assistência em casos de operações e partos de risco.
  • As prestações farmacêuticas são gratuitas para os pensionistas e para os seus beneficiários.
  • Se acontecer alguma coisa ao bebé ou à sua mamã, nunca ficam separados!
  • Não há um limite de idade para se receber assistência.

Segurança Social na gravidez


Como já tinha escrito neste post, a saúde pública cobre todos os gastos de atenção precoce da gravidez, o seguimento da mesma, a preparação para o parto e a visita durante o primeiro mês de pós-parto. O problema é que tem de dar à luz no hospital correspondente à zona de residência e o quarto será compartilhado ou não, dependendo do número de pacientes que estão internadas nessa altura. Para além disso, os possíveis acompanhantes não dispõem de uma cama para passar a noite e os horários das visitas são mais restritivos.


Seguros privados para as consultas e/ou partos (in TodoPapás)


Antes de qualquer coisa, devemo-nos informar bem das condições de cada companhia, dos gastos que cobrem, dos períodos de carência, dos centros e dos especialistas que dispõem, etc:

  1. Se garante um quadro médico de qualidade creditada.
  2. Se inclui centros de assistência e hospitais de primeira linha.
  3. Como actua a companhia em caso de utilização frequente dos serviços.
  4. Comprovar os serviços da empresa.
  5. Se inclui serviços dentais.
  6. Formas de pagamento.
  7. Assistência em viagem.
  8. Se a companhia dispõe de serviços complementários relacionados com a saúde (acesso a ginásios, revistas, páginas de conselhos, etc.).

Para além disto, devem decidir que modalidade de apólice quer contratar, já que existem diversos tipos de seguros.

Um dos grandes inconvenientes destes seguros são os períodos de carência, ou seja, um tempo de espera no qual a companhia não cobre uma série de serviços.


Quais as vossas experiências?


Até já,

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...